PT/     ENG

Álvaro Queirós campeão, Manuel Pinho entregou prémio


Álvaro Queirós campeão, Manuel Pinho entregou prémio

O espanhol somou o seu segundo título no PGA European Tour, o primeiro desde 2008, enquanto o português António Sobrinho ainda levou para casa um prémio de 8.400 euros.

O espanhol Álvaro Quirós quebrou a invencibilidade do nº1 europeu Robert Karlsson, impediu o sueco de igualar o nº1 mundial Tiger Woods e conquistou a segunda edição do Portugal Masters, o mais importante torneio de golfe realizado no nosso país e um dos eventos mais relevantes do PGA European Tour, que hoje (domingo) terminou no Oceânico Victoria Golf Club, em Vilamoura, com uma mensagem de esperança futura por parte do ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho.

«A minha vitória na África do Sul, em 2007 (no Alfred Dunhill Championship), foi significativa porque abriu-me as portas do European Tour, mas este título é mais importante para mim pela rica lista de inscritos e por ter sido um ano difícil em que jogava bem mas os resultados não chegavam. É uma ajuda para seguir trabalhando», disse Quirós, de 25 anos, que concluiu o mais importante evento desportivo do programa Allgarve com um total de 269 pancadas, 19 abaixo do Par, após uma última volta de 68 (-4).

O meio milhão de euros que recebeu como prémio monetário pelo seu segundo título no PGA European Tour permitiu-lhe subir 81 lugares na Ordem de Mérito Europeia, do 105o para o 24o, garantindo-lhe, ao mesmo tempo, a qualificação para o Volvo Masters, dentro de duas semanas, em Valderrama, mesmo às portas de sua casa. «Teria sido muito duro estar em Guadiaros com o torneio a decorrer ao lado e não poder participar nele», acrescentou.

Conhecido por ter sido o jogador que atingiu a mais elevada média de distância de drive em 2007 no circuito europeu, Quirós recordou-se sobretudo neste último dia do «fabuloso jogo curto» do seu compatriota Seve Ballesteros, o mais famoso golfista europeu de sempre: «Só conheci o Seve uma vez, mas ele jogava de forma diferente de todo o Mundo, com fúria, com o coração. Hoje, quando me vi em dificuldade, consegui safar-me com o coração».

Manuel Pinho, o ministro da Economia e Inovação, que lhe entregou a bela taça de prata de 1,5 quilos que representa a esfera armilar, pediu-lhe ainda que transmitisse «ao Severiano Ballesteros que todos nós desejamos que recupere o mais rápido possível». Esta nota do governante português provocou um aplauso geral no numeroso público que estabeleceu um novo recorde de afluência em Portugal num torneio de golfe.

Álvaro Quirós, Robert Karlsson e o inglês Ross Fisher partiram para a quarta e última volta no grupo de líderes, depois de terem sido forçados a vir mais cedo para o Oceânico Victoria Clube de Golfe para concluir a terceira volta, interrompida na véspera por uma trovoada. O espanhol tinha já uma vantagem de 1 pancada sobre os outros dois no final desses 54 buracos e a vantagem acabou por ser determinante pois durante toda a quarta ronda só por uma vez perdeu a liderança, por 1 pancada, quando partiram para o buraco 6. «Estive praticamente sempre à frente», sublinhou Quirós, que pode orgulhar-se de ter deixado atrás de si nomes famosos.

Em segundo lugar, a 3 pancadas de distância, ficou o campeão do British Open de 1999, o escocês Paul Lawrie, que obteve a sua melhor classificação da época; e em terceiro, a 4 ‘shots’, terminou Robert Karlsson, o no1 europeu, que reforçou o comando da Ordem de Mérito Europeia sobre o irlandês Padraig Harrington, mas não conseguiu igualar o tal feito de Tiger Woods de três títulos consecutivos no European Tour. «Agora vou descansar», disse Karlsson, que soma 2.695.247 euros em 2008, frisando resistir à tentação de jogar na próxima semana em Valência.

Isso significa que o posto de nº1 europeu da temporada só será decidido no Volvo Masters, onde já estará Harrington. Robert Karlsson partilhou o terceiro lugar com dois ingleses, o campeão do Portugal Masters de 2007, Steve Webster, que vendeu caro a perda do seu título, e Ross Fisher.

Na cerimónia de entrega de prémios estiveram presentes o ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho; o vice-presidente do Turismo de Portugal, Frederico Costa; o presidente do Turismo do Algarve, António Pina; o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Seruca Emídio; o presidente da Federação Portuguesa de Golfe, Manuel Agrellos; o director do PGA European Tour, Peter Adams; o director-técnico do Portugal Masters pelo PGA European Tour, José Maria Zamora; e o presidente do Grupo Oceânico, Gerry Fangan, que teve a surpresa de ter soprado as velas do seu 56o aniversário no green do buraco 18 sob ovação geral.

O II Portugal Masters terminou com uma nota de esperança para o futuro, uma vez que nos discursos oficiais ou em declarações prestadas aos Media, tanto o ministro da Economia e Inovação como o presidente do Grupo Oceânico frisaram que pretendem manter o torneio e estender o contrato que têm com o European Tour e termina em 2009.

António Sobrinho joga pela honra

António Sobrinho, o único português a passar o ‘cut’ do II Portugal Masters, não conseguiu atingir o seu objectivo primordial de jogar abaixo do Par, mas no último dia ainda ascendeu da 63a à 59a posição da classificação final, apesar de ter concluído os derradeiros 18 buracos em 74 pancadas, 2 acima do Par, assinando 1 birdie e 3 bogeys. O campeão nacional agregou 290 pancadas (+2), embolsou um prémio de 8.400 euros e ficou longe do 21o lugar (-13) de Filipe Lima no ano passado, superando, em contrapartida, o 69o lugar (-2) de Tiago Cruz, também em 2007.

Recorde de afluência

O II Portugal Masters fixou um novo recorde de bilhetes vendidos num único dia numa competição de golfe em Portugal. De acordo com números divulgados pelo PGA European Tour, foram vendidos hoje (domingo) 7.940 bilhetes, pelo que, com convites e credenciais estiveram no Oceânico Victoria Clube de Golfe mais de 10 mil espectadores, pulverizando o anterior recorde, 6.740 ingressos comprados no último dia do Portugal Masters de 2007.

A afluência total do torneio no final dos quatro dias de competição mais o ‘Pro-Am’ elevou-se a 28.461 bilhetes vendidos, ultrapassando os 24.188 do ano passado. A audiência televisiva internacional do evento estava calculada em 320 milhões de lares em todo o Mundo, mas informações mais recentes recebidas pelo PGA European Tour indicam que poderão ter sido atingidos os 500 milhões de lares.

Resultados 

O ‘top-5’ da classificação definitiva do II Portugal Masters, após 72 buracos ao Oceânico Victoria Golf Course e a distribuição de prémios monetários, ficaram ordenados do seguinte modo: 1o Álvaro Quirós (Espanha), 269 (66+68+67+68), -19, €500.000,00 2o Paul Lawrie (Escócia), 272 (70+65+70+67), -16, €333.330,00 3o Robert Karlsson (Suécia), 273 (69+67+66+71), -15, €155.000,00 3o Ross Fisher (Inglaterra), 273 (67+70+65+71), -15, €155.000,00 3o Steve Webster (Inglaterra), 273 (72+67+66+68), -15, €155.000,00 Português que passou o ‘cut’ 59o António Sobrinho (Vale do Lobo), 290 (70+73+73+74), +2, €8.400,00 Portugueses que não passaram o ‘cut’ 79o João Carlota (Vilamoura), 146 (69+77), +2 * 84o Filipe Lima (Turismo de Portugal/Ribagolfe/FPG), 147 (75+72), +3 101o Ricardo Santos (Oceânico Golf Team Portugal/FPG), 149 (74+75), +5 110o Manuel Violas (Oporto Golf Club), 151 (76+75), +7* 122o Tiago Cruz (Oceânico Golf Team Portugal/FPG/BIG), 155 (77+78), +11 123o Hugo Santos (Oceânico Golf Team Portugal/FPG), 157 (78+79), +13. *Amador

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn