Ricardo Santos relaxado antes de teste caseiro

14/10/2015

Pertence-lhe a melhor marca de um português no Portugal Masters, o 16.º lugar em 2012

Em 2012, Ricardo Santos tornou-se no primeiro português a ganhar um título do European Tour em casa e entra esta semana no Portugal Masters com vontade de conseguir um sucesso idêntico.

O jogador de 33 anos teve uma brilhante campanha há três anos vencendo o Madeira Islands Open BPI, tendo terminado em 90.º lugar no Race to Dubai e arrecadando também o prémio Sir Henry Cotton Rookie of the Year.

Ocupando atualmente o 180.º posto na Race to Dubai, Santos sabe que tem de terminar nos primeiros lugares da prova para poder manter o cartão do European Tour no próximo ano. Santos, que vive em Vilamoura e está ligado ao Oceânico Victoria Golf Course, não permite que este seja um foco de distração e está confiante que este objetivo é possível.

“Eu só estou preocupando em manter a calma e ficar focado no meu jogo e vamos ver o que acontece”, disse Ricardo Santos.

Na véspera do arranque de um torneio no qual já alcançou um 16.º lugar e onde o factor casa não acrescenta pressão, uma atitude confiante poderá ser a solução. “Espero manter este foco durante a semana, minha boa atitude, e dar o meu melhor em todos os momentos. E no final vamos ver o que acontece”, acrescentou.

E continua: “Depois de muitos anos, é confortável para mim jogar aqui em Victoria no Portugal Masters, com toda a multidão de portugueses, da família e dos amigos. Eu acho que vai ser uma boa semana.”

Acrescentou ainda: “Eu acho que é muito importante para Portugal e para os portugueses ter um forte torneio no Tour principal e que está em crescimento de ano para ano. É importante para Portugal e para o turismo em Portugal. Espero que continue a crescer atraindo cada vez mais publico ao Oceânico Vitória.”

Um jogador que não está preocupado em segurar o seu cartão do European Tour no próximo ano, é Ricardo Melo Gouveia, que selou o seu lugar na Corrida para o Dubai 2016 graças às suas impressionantes performances no Challenge Tour.

Para o jovem de 24 anos, que está em segundo lugar na Corrida para Omã, esta é a terceira presença em provas do European Tour, depois de ter participado no Portugal Masters do ano passado e no Madeira Islands Open BPI em agosto. “Eu não vou mudar nada e eu não vou criar expectativas”, disse.

Só vou jogar, desfrutar, e espero obter bons resultados ao longo da semana. Estou realmente ansioso para iniciar a época (2016) e jogar ao mais alto nível de golfe na Europa, que era o meu objetivo para este ano. Foi incrível poder garantir o cartão a meio da época, devido aos bons resultados que tive.”

Gouveia terminou empatado em 58.º no Portugal Masters do ano passado, que ficou reduzido a duas voltas devido ao mau tempo, mas este ano espera um teste mais difícil no Oceânico Vitória. “O campo está muito mais difícil este ano, porque o rough está mais alto tanto à volta dos fairways como nos greens”, disse.

“Por outro lado o campo está mais mole o que pode ajudar um pouco os jogadores a conseguir resultados mais baixos. Mas se sairem fora dos fairways, vão ter dificuldade em marcar um resultado baixo.”

FOTOGRAFIA: Ricardo Santos na conferência de imprensa / © Filipe Guerra

No tee: partidas para o Portugal Masters

14/10/2015

O draw para as duas primeiras voltas já foi publicado e inclui alguns grupos aliciantes para seguir com atenção

O draw para os dois primeiros dias do Portugal Masters 2015 no Oceânico Victoria Golf Club apresenta partidas muito interessantes com destaque para os matches de Martin Kaymer e Bernd Wiseberger .

Kaymer, que claramente gosta de jogar no Algarve tendo já competido neste evento cinco vezes, jogará com Søren Kjeldsen e com o seu companheiro de equipa da Ryder Cup em Gleneagles, Stephen Gallacher, ao longo dos dois primeiros dias. O trio parte do buraco 10 às 8h30 de quinta feira.

Se por um lado o jogador alemão tentará alcançar a sua primeira vitória da temporada no European, depois de ter chegado tão perto na Itália há três semanas, é Kjeldsen que está a jogar melhor golfe atualmente no European Tour.

Soren Kjeldsen venceu o Dubai Duty Free Irish Open Hosted by the Rory Foundation no início deste ano, e terminou no top 15 em seis dos seus últimos oito torneios do European Tour.

O austríaco Bernd Wiesberger, que ocupa o sétimo posto no Race to Dubai, terá como parceiros nos dois primeiros dias o atual campeão Alexander Levy e o inglês Chris Wood. A saída esta marcada para as 13h00 de quinta feira do tee 1.

Com Levy tendo registado 18 pancadas abaixo do par em apenas 36 buracos no último Portugal Masters, que foi encurtado para dois dias devido ao mau tempo, e com Wiesberger e Wood sendo também conhecidos pelo seu jogo agressivo, está é certamente uma partida que atrairá muitos seguidores.

Padraig Harrington, Tommy Fleetwood e Andy Sullivan partirão do tee 1, apenas dez minutos após o grupo do atual campeão, numa partida de atrair multidões.

Três vezes campeão de majors, Harrington é sempre um dos favoritos onde quer que jogue e com um número significativo de irlandeses no Algarve, esta semana não será diferente. Por seu lado, Fleetwood e Sullivan são dois dos melhores “ball strikers” no European Tour.

A saída das 08h40 do tee 10, apresenta dois jogadores que venceram recentemente: Thorbjørn Olesen e Thomas Pieters que terão ainda Marcel Siem como parceiro.

Nicolas Colsaerts esteve muito perto de conseguir o primeiro cartão com 59 pancadas na história do European Tour, durante o Portugal Masters do ano passado. Este ano, para começar, o belga terá a experiente dupla escocesa, Marc Warren e Paul Lawrie, como companhia na partida das 08h20 de quinta-feira, do tee 10.

Enquanto isso, o capitão da seleção europeia da Ryder Cup, Darren Clarke jogará com o talento da casa, Ricardo Melo Gouveia e com o espanhol Rafa Cabrera-Bello a partir das 13h20.

Carregue aqui para ver o draw completo para a primeira e segunda volta 

NA FOTOGRAFIA: MARTIN KAYMER  / © Getty Images

SIC Esperança é IPSS do Portugal Masters

10/10/2015

Doações solidárias dos cinco dias de prova revertem para projecto algarvio “Ouvir a Dança”

A SIC Esperança, organização sem fins lucrativos, fundada em 2003, que procura alertar para os problemas sociais que afetam Portugal, é a Instituição Pública de Solidariedade Social (IPSS) oficial do Portugal Masters de 2015.

A SIC Esperança está afiliada na Impresa, um dos maiores grupos de media portugueses, e tem estabelecido parcerias com outras organizações sem fins lucrativos, no objetivo de angariar verbas e monitorizar a incrementação de projetos sociais que contribuam para uma sociedade mais justa e mais igualitária.

Nos últimos 12 anos, a SIC Esperança participou em mais de 550 campanhas humanitárias, angariou mais de 5 milhões de euros, desenvolveu parcerias com 165 empresas e trabalhou em conjugação de esforços com outras 906 instituições de solidariedade social, ajudando, aproximadamente, 65 mil pessoas.

Peter Adams, o Diretor de Campeonato do Portugal Masters, disse: “Estamos encantados por acolher a SIC Esperança como a IPSS oficial do Portugal Masters. O trabalho que faz em todo o país, em colaboração com outras entidades sem fins lucrativos, tem feito uma diferença na vida das pessoas. Peço a todos os espectadores do Portugal Masters que contribuam para esta causa válida.”

“O Portugal Masters vem desenvolvendo uma tradição de anualmente angariar fundos para IPSS locais ou nacionais. Recentemente, no ano passado, apoiou a Make-A-Wish e em 2013 tinha sido a ACCA Kids. Os representantes do torneio, os jogadores e o público, todos juntos, irão reconhecer a importância de retribuir”, acrescentou Peter Adams, que dirige o mais importante torneio português desde o seu nascimento, em 2007.

Mercedes Balsemão, Presidente da SIC Esperança, declarou: “Foi uma honra para a SIC Esperança ter sido convidada pelo European Tour para ser a IPSS oficial do Portugal Masters. Sendo alguém que regularmente joga e vê golfe, estou particularmente orgulhosa da parceria entre o European Tour e a SIC Esperança.”

“Como o torneio se realiza no Algarve, selecionámos um projeto local, o ‘Ouvir a Dança’, como beneficiário. O objetivo deste projeto consiste em recorrer à arte, designadamente à música e à dança, como forma de ultrapassar o insucesso académico”, explicou Mercedes Balsemão.

“Durante oito meses, 20 crianças de risco, entre os 6 e os 12 anos de idade, terão a oportunidade de participar em atividades artísticas como forma de promover o exercício regular. O golfe, quando praticado corretamente, possui o ritmo e a beleza da dança e esse foi outro dos motivos que nos levou a escolher o projeto ‘Ouvir a Dança’ como destinatário do apoio do Portugal Masters”, especificou.

A campanha de angariação de fundos arranca na quarta-feira e cada profissional irá oferecer o seu prémio de presença no Pro-Am. Esse valor será dobrado por uma contribuição do Tour Players Foundation, o departamento de solidariedade social do European Tour. Durante cinco dias, estima-se que possam ser alcançados os 8 mil euros.

Ao longo da semana, os espectadores serão convidados a fazerem uma doação para a SIC Esperança, no valor de 1 ou 3 euros, recebendo em troca uma folha com as saídas do dia ou um programa oficial, respetivamente.

Cada contribuição candidata o seu autor a um sorteio que oferecerá um lugar no Pro-Am do Portugal Masters de 2016. E, uma vez mais, o valor total das doações dos espectadores será dobrado pela Tour Players Foundation.

A Impresa é um grupo de media que inclui um canal de televisão aberto e uma diversidade de canais por cabo, bem como jornais, revistas e sites de internet. O grupo proporciona à SIC Esperança apoio nos serviços de contabilidade, marketing, jurídico e em campanhas publicitárias gratuitas nos canais televisivos, nos media impressos ou digitais.

Os amadores portugueses no Portugal Masters 2015

07/10/2015

Tomás Silva, do Clube de Golfe do Estoril, e Vítor Lopes, do Clube de Golfe de Vilamoura, foram os jogadores amadores escolhidos pela Federação Portuguesa de Golfe para jogar o Portugal Masters da próxima semana, no Oceânico Victoria Golf Course em Vilamoura. O primeiro é o bicampeão nacional absoluto e n.º 2 no Ranking Nacional BPI 2015, o segundo é o vice-campeão nacional e n.º 1 no Ranking Nacional BPI.

Para Tomás Silva, esta vai ser a segunda vez que participa no maior torneio do golfe português. Em 2014, numa edição reduzida para duas voltas devido à chuva, terminou no sexteto dos 101.ºs classificados, com voltas de 72-72, para um total agregado de +2. E se então teve como caddie António Sobrinho, 11 vezes campeão nacional de profissionais, desta vez terá no saco o seu pai, José Silva.

“Encaro [a presença no Portugal Masters] como um prémio pela segunda metade de temporada que fiz”, diz Tomás. “Joguei este último fim-de-semana no Oceânico Victoria com o Vítor Lopes e deu para ter uma noção do que vamos ter pela frente. Ao contrário do ano passado, os roughs este ano estão bem altos, o que vai exigir shots ao green precisos. No capitulo do tee shot (mais precisamente o driver) penso que não há muito a melhorar, tem sido um ponto forte ao longo da época e por isso vou continuar a dedicar o mesmo tempo. Mas nos restantes capítulos vou intensificar um pouco porque tenho alguns shots ao green de ferros compridos e, claro, melhorar o jogo curto e putting, que tem melhorado bastante no último mês. Mas como tenho o strokesaver do ano passado consigo ir para o driving range imaginar os buracos e o tipo de shot que quero dar e executá-los. Quanto à parte física, tenho feito o meu treino habitual, não fazia sentido estar a mudar rotinas agora.”

Quanto a Vítor Lopes, tem feito nos últimos tempos algumas mudanças no swing, no sentido de passar a sua pancada predominante de draw para fade, o que, diz, o irá favorecer no Portugal Masters. “No Victoria, não se pode falhar é no lado esquerdo”, justifica. “As mudanças que tenho feito com o meu treinador, o Joaquim Sequeira, ainda não estão consolidadas, mas espero que cheguem a tempo. A semana passada foi mais puxada, esta está a ser mais tranquila. Para já, estou a ganhar confiança, e notam-se melhorias. Agora vou também a começar a trabalhar com o David Moura [Treinador Nacional Adjunto], que vai fazer de meu caddie no torneio. Ele vai dar-me alguns exercícios para trabalhar e ajudar-me a elevar os índices de confiança, coisa em que ele é bom.”

Além de Tomás Silva e Vítor Lopes, o 9.º Portugal Masters terá mais seis portugueses, todos profissionais: Ricardo Melo Gouveia, Ricardo Santos, Filipe Lima, Tiago Cruz, João Carlota e Pedro Figueiredo.

A melhor classificação de sempre de um jogador da casa foi o 16.º posto de Ricardo Santos em 2012.

Na fotografia: Vítor Lopes e Tomás Silva / © Filipe Guerra

Portugal Masters com 6 jogadores do top 60 mundial

5/10/2015

A 9.ª edição do Portugal Masters, que decorrerá na próxima semana, apresenta uma forte lista de inscritos, da qual se destacam quatro campeões de torneios do Grand Slam e seis jogadores do top60 do ranking mundial.

O Oceânico Victoria Golf Course irá acolher jogadores como os irlandeses Darren Clarke (British Open 2011) e Padraig Harrington (British Open de 2007 e 2008 e PGA Championship de 2008), o alemão Martin Kaymer (PGA Championship 2010 e US Open 2014) e o escocês Paul Lawrie (British Open 1999).

Entre eles, somam oito títulos de majors mas qualquer um persegue a sua primeira vitória no Portugal Masters, que regressa a Vilamoura de 15 a 18 de outubro, com o sempre forte pro-am no dia 14.

Kaymer é o jogador em prova melhor classificado no ranking mundial, no 20.º lugar, 8 lugares acima do austríaco Bernd Wiesberger, que é também o 7.º na Corrida para o Dubai do European Tour, em grande parte graças à sua vitória recente no Alstom Open de França.

O galês Jamie Donaldson (48.º), o italiano Francesco Molinari (57º), o escocês Marc Warren (56.º) e o francês Victor Dubuisson (60.º) são os outros top 60 do mundo a competirem no Algarve na próxima semana.

Donaldson será sempre recordado como o homem que carimbou a vitória na Ryder Cup de 2014 e o campeão de três torneios no European Tour terá no Portugal Masters a companhia de quatro outros parceiros da seleção europeia da Ryder Cup em Gleneagles: O dinamarquês Thomas Bjørn, o francês Dubuisson, o escocês Stephen Gallacher o alemão Martin Kaymer, este último, um ex-n.º 1 mundial.

Qualquer um desse quinteto é candidato a suceder a Alex Levy na lista de campeões do torneio português. O francês ganhou em 2014 e foi o oitavo campeão diferente em oito edições do Portugal Masters.

Alexander Levy vai tentar tornar-se no primeiro a defender e a conquistar dois títulos no Oceânico Victoria mas não estará só nessa demanda, dado que um jogador que até representa o campo algarvio, o espanhol Álvaro Quirós, tentará recorrer ao seu profundo conhecimento do campo e ao famoso drive comprido para repetir o triunfo de 2008. Será a sua nona participação consecutiva no torneio de 2 milhões de euros em prémios monetários.

O mesmo raciocínio poderá fazer-se para Ricardo Santos, o campeão do Madeira Islands Open BPI de 2012, que nasceu em Faro e reside em Vilamoura, representando também o Oceânico Victoria.

O compatriota de Ricardo Santos e antigo parceiro de clube, Ricardo Melo Gouveia, irá elevar as expectativas do público local, depois de um excelente ano a competir no Challenge Tour.

Melo Gouveia é o atual 2.º classificado na Corrida para Oman, o ranking do Challenge Tour, graças a uma vitória e mais nove top 10 em 2015.

Há mais jogadores que merecem saliência na lista de inscritos do Portugal Masters, a começar por Paul Dune, que espantou o mundo do golfe em julho, quando partilhou a liderança do último British Open (The 144th Open Championship) na partida para a última volta. O irlandês só se tornou profissional depois de ajudar as Ilhas Britânicas (GB&I) a ganharem a Walker Cup e no Old Course de St. Andrews acabou por terminar no 30.º lugar.

Fotografia: Darren Clarke e Padraig Harrington / © Getty Images